Terça-feira, 5 de Maio de 2009
Ontem

 

Ontem a tarde não choveu
Eu pude ver as flores do teu jardim
Tão coloridas como nunca
Eu pude sentir o toque suave do vento
Em meu rosto
O vento trazia teu perfume
Que eu já conheço em mim
Ontem a tarde eu pude ver o anoitecer
O sol a se pôr no horizonte
E senti saudades de você
Senti saudades daqueles dias
Em que tentamos ser felizes
Sem saber
Senti saudades das tardes de domingo
Que eu sentava em frente a janela
Só pra te ver
E você passava ao longe
E me via ali a esperar por você
Ontem
A noite chegou tão lentamente
E a lua que das nuvens do céu surgiam
Iluminava cada pensamento meu
E eu desejei que algumas coisas
Tivessem sido diferentes
Eu desejei amigo
Ter te conhecido um pouco mais
  
Dedicado àquele anjo que conheci um dia
Amigo Niélsen Saint

 



publicado por oriona às 04:03
link do post | comentar | favorito
|

5 comentários:
De M.Luísa Adães a 5 de Maio de 2009 às 12:28
oriona

Lindo o teu poema, me parece que conheço o nome do teu amigo - será erro meu?
Talvez!
Mas o que escreveste, está de um sentir emocionante.

Beijos da sempre amiga, Maria Luísa


De oriona a 6 de Maio de 2009 às 01:30
Ah amiga, obrigada por compartilhar estes versos, obrigada por gostares, você sentiu o que eu queria falar, transpor a emoção nessas palavras.
Já escrevi sobre este amigo antes, o Niélsen, ele está com os anjos agora, em outro plano, é uma pessoa muito querida, mas que eu não tive a oportunidade de conhecer pessoalmente, nos conhecemos apenas por este mundo virtual, nos versos eu criei um pouco, mas gostaria que ele onde estiver saiba o quanto eu o estimo.

Gostei muito do que você escreveu sobre o sentir, você a sempre amiga Maria Luisa, sempre presente!

Beijos!


De M.Luísa Adães a 6 de Maio de 2009 às 09:17
Oriona

Lembro que escreveste sobre Niélsen e também sei da partida dele, para um outro lugar.

Vai estar atento ao que escreves, acredita que sim!
O mundo virtual tem destas coisas, o apego a quem não conhecemos, nem nunca vimos.
Inexplicável, como a alma humana.
Obrigada por responderes!

Beijos ternos,

Maria Luísa


De jpcfilho a 8 de Maio de 2009 às 16:52
Olá Querida Oriona, cai a tarde com langor e serena, enquanto se escuta o badalar dos sinos e das saudades chegando, saudades do primeiro amor, do amigo, de coisas que não voltam mais, só saudades, um não mais voltar comovente triste e prazeroso, sempre é prazeroso ter saudades, pena que não se possa novamente apertaar o play.
Lindos versos
Todos os beijos de saudades
João Costa Filho


De Cöllyßry a 9 de Maio de 2009 às 19:13
Linda homenagem a esse amigo que é Anjo...

Terno beijo


Comentar post

.mais sobre mim

SPECTRUM

.Março 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Aprender (reaprender)

. Coração Noturno

. Feliz Ano Novo

. Deturpar

. ...

. Mestre - 27 de Outubro de...

. Espelho de tua alma

. The stories of Meden and ...

. Deus é Pai [poema] - Padr...

. Sonho

.arquivos

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Maio 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Agosto 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Fevereiro 2008

. Dezembro 2007

. Julho 2007

.links
.pesquisar
 
blogs SAPO
.subscrever feeds